Relembramos o nosso artigo publicado em abril de 2011:

Na sequência da notícia publicada no passado dia 19 em jornais de (quase) todo o mundo e difundida em sites e blogs, sobre o processo movido por um cidadão belga (natural do Congo) contra a entidade detentora dos direitos de imagem de Tintin no Congo, a Moulinsart SA e a editora Casterman, alegando o referido cidadão que  na obra em causa existem referências racistas, queremos deixar aos nossos leitores um pouco mais de informação que ajude a compreender os factos que estão na base deste processo.

Estamos a 29 de Maio de 1930, três semanas após Tintim e Milou terem regressado do país dos sovietes. O companheiro de Tintim propõe ao jovem jornalista um destino para a próxima viagem: “Que dirias de uma viagem ao Congo? […] podíamos fazer explorações científicas, caçar feras, atravessar rios, caminhar nas profundezas da floresta... Não pensas que daria uma reportagem sensacional?”(in “Milou a une idée”, Le Petit Vingtème, 1930-05-29). Esta sugestão de Milou, publicada na revista, mostra quais eram os planos do padre Norbert Wallez, director do Le Petit Vingtème. É este padre conservador belga que define o rumo das histórias de Tintim. Para Hergé, no entanto, fazia mais sentido uma viagem à América, dada a simpatia que nutria pelos índios desde a sua passagem pelos escuteiros e também pelos filmes que vira na sua infância.

Face ao parco entusiasmo que sentia em levar Tintim ao Congo, o autor pouco se documentou para produzir a história, limitando-se aos relatos de jornalistas da revista e a uma ida ao Museu do Congo em Tervuren (Bélgica). Nestas circustâncias, o jovem desenhador, que não gostava das gabarolices dos colonos que regressavam do Congo, constroi uma visão paternalista dos negros, que considera crianças grandes. E é desta forma que retrata os congoleses. Daqui resulta, parece-me, que Tintim no Congo é das histórias mais infantis da série, fruto de uma narrativa simples, pouco documentada e com textos muito explicativos.

Hergé, na altura em que começou a desenhar esta aventura de Tintim, com 23 anos, não passava de um mero funcionário de uma revista católica para jovens e crianças, e que tinha como gestor uma figura singular, muito mais ligada a temas políticos do que religiosos, o padre Wallez. Numa entrevista a Henry Roane (1974), dizia Hergé: “Sou muito permeável, muito influenciável, e por isso um excelente médium…Todos os meus álbuns têm a marca da época em que foram desenhados”. É um facto, por exemplo, que na Exposição Colonial de Paris, em 1930, os visitantes eram aos milhões, contrastando com os poucos que visitavam a exposição anti-colonial patrocinada pelos surrealistas franceses, na mesma altura.

Contudo, apesar da ingenuidade presente nas primeiras obras de Hergé e da sua permeabilidade às correntes da época, é clara a presença, em Tintim na América, da crítica à sociedade norte americana e à própria história da construção dos Estados Unidos, com base na exploração dos negros e dos índios. Antes da sua partida para o Novo Mundo, Tintim confidenciava a Milou (Le Petit Vingtème, 1931-08-20):

"Os negros dos Estados Unidos são descendentes de antigos escravos. Por isso os brancos acham-se superiores. O que é falso, porque o escravo é sempre de longe mais digno do que o seu mestre absoluto.

Todo o individuo que tenha nas veias uma gota de sangue negro é considerado um ser inferior. Tem de viver num bairro separado. Não se pode casar com uma branca. Existem escolas, universidades e igrejas especiais para os negros. E, muitas vezes, nas províncias do sul um preto é linchado. O infeliz que tenha roubado, cometido um crime ou que seja simplesmente suspeito é morto pelos brancos em fúria. E a justiça fecha os olhos e deixa massacrar o homem de cor."

Referências: Hergé filho de Tintim; Peeters, Benoît; Verbo (Outubro 2007)

Para finalizar e depois de ler alguns artigos sobre o tema, sugiro a leitura de um deles, da autoria de Manuel António Pina, publicado no Jornal de Noticias de 19 de abril de 2011 com o título: "Tintin nas Galés"

"Parece que Tintin, meu amigo de infância, vai ser julgado num tribunal belga por um alegado crime de "racismo" praticado em 1931 com a publicação das suas aventuras no Congo, narradas e desenhadas por um tal George Prosper Remi, a.k.a Hergè. Acusa-o, apoiado pelas ruidosas tropas do politicamente correcto, um tal Bienvenu Mbutu Mondondo, nascido 40 anos depois de "Tintin no Congo" ser publicado, que acha a obra "atentatória da sua imagem" porque, nela, "os congoleses" (e não as personagens do livro) são apresentados como "preguiçosos" e "estúpidos". Ora ele é congolês, portanto... Exige, por isso, que a venda do livro seja condicionada (a sua primeira exigência foi a proibição pura e simples, mas entretanto terá ouvido falar de "liberdade de expressão e concluído que talvez estivesse a ter mais olhos que barriga). A seguir virá algum grego "ofendido" pela imagem de Rastapopoulos, algum oficial da Marinha pela imagem de bêbedo do Capitão Haddock , alguma cantora lírica pela imagem da Castafiore, algum vendedor de seguros pela imagem de Séraphin Lampion, algum polícia pela imagem de Dupond e Dupont, algum "gangster" pela imagem dos "gangsters" em "Tintin na América"... Seguir-se-á Astérix (há-de aparecer algum romano a sentir-se "ofendido") e, por um motivo ou por outro, toda a literatura e arte. Finalmente, como previu Heine, depois dos livros, chegará de novo o momento de se queimarem homens."

Pin It

  1. Autor
  2. Seleção
  3. Facebook

Maurizio Dotti

sábado, 21 abril

Giovanni Eccher

sábado, 21 abril

Mauro Boselli

sábado, 21 abril

Pasquale Ruju

quarta, 18 abril

Moreno Burattini

quarta, 18 abril

A Sombra do Corvo

domingo, 31 dezembro

Murena - A Vingança d…

quinta, 24 agosto

Os Ignorantes

sábado, 12 agosto

O Julgamento de Tinti…

sábado, 12 março

  1. Livro
  2. Clássico
  3. Editora

Dampyr - Aventuras...

sexta, 20 abril

Wang Jen-Ghié...

quinta, 19 abril

Tex - A Lenda de Tex

quarta, 18 abril

Mais Valias Face à...

domingo, 15 abril

O Ouro de...

quinta, 12 abril

S.O.S. Meteoros por E…

sábado, 12 março

Quem são os Longway ?

domingo, 13 março

XIII - A Série

domingo, 03 abril

Christian Godard: Mar…

domingo, 03 julho

Norma Editorial

sábado, 7 abril

Marsupial Editora

domingo, 11 fevereiro

Toutain Editor

quinta, 1 fevereiro

Garbuix Agency

quarta, 17 janeiro

Ediciones La Cúpula

segunda, 1 janeiro

Visit Redmoon online casino Canada.